segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Azulejos

"Uma papoila crescia, crescia,
grito vermelho num campo qualquer.
Como ela, somos livres,
somos livres de crescer.
Somos um povo que cerra fileiras,
parte à conquista do pão e da paz.
Somos livres, somos livres,
não voltaremos atrás."
                                               Ermelinda Duarte: Somos livres (uma gaivota voava voava)
 
 
 

 Azulejo mate, giz cerâmico, vidrado vermelho selénio, cozedura 1020º
 

Sem comentários:

Enviar um comentário